domingo, 11 de setembro de 2016

Morar longe da família, vale a pena?



Morar longe pelo emprego, vale a pena?

Saí de casa com 17 anos, pra estudar. Passei em uma boa faculdade fora de casa e fui. Me lembro dos primeiros 15 dias, o inferno que foi. Ao fim da segunda semana arrumei uma carona completamente improvisada com uns caras que nunca tinha visto apenas para poder ir pra casa. Sempre me virei muito bem, a casa estava bem cuidada, sempre cozinhei, mas meu problema é o apego gigantesco. Acabava sempre criando novas "famílias" aonde parava.

Morar fora é uma experiência que testa nossos limites todos os dias. Você não tem a quem recorrer. Tem que vencer a vergonha, a preguiça, tem que lutar para não deixar te passarem para trás, tem que aprender a se virar de todo jeito. O mundo é pesado e duro, e você tem que aprender a lidar com todos os obstáculos por si só. Batendo a cabeça, brigando, correria, e assim vai. Mas isso cria em ti uma armadura e resistência que poucos possuem. Acho que para o ser humano, quando ele sai de casa, é semelhante à etapa inicial da vida no reino animal, onde a prole se esforça para ficar de pé, entender aquele mundo novo e tomar seu caminho. Você é aquele filhote de elefante com as pernas trêmulas totalmente confuso, tentando, em poucos minutos, se adaptar à realidade que se impõe.

Não se engane, a saudade bate forte. Há domingos imensos, às vezes sem trocar uma palavra. Há momentos difíceis na família que você não vai presenciar e há pessoas que você não poderá apoiar. Por outro lado ser sozinho em algum lugar te trás pessoas fantásticas. É engraçado como aparecem pessoas que você menos espera que te dão suporte inesperado, e aliviam a penosa experiência da solidão. Me lembro de uma vez que troquei um sorriso com a moça da limpeza do hotel onde estava, e 'nosso santo bateu'. Não trocamos uma palavra, mas daquele dia em diante meu quarto parecia reformado sempre que chegava. Até minhas roupas ela dobrava. Outra vez fiquei amigo de um moto táxi, e quando me faltava dinheiro ele me levava sem cobrar para resolver problemas com documentos. Apesar da aparência assustadora do mundo, ele está repleto de boas pessoas.

Acredito que morar fora é uma experiência imensamente válida, e diria até necessária, mas ao menos para mim, é temporária. Não gosto de ficar longe das pessoas que amo, a vida não faz sentido assim. Claro, salvo casos de viagem a passeio ou esporádicas, mas ser itinerante, sem raiz, pra mim não faz sentido. Sou da velha escola, quero criar raízes em uma terra. Comprar um cachorro, ter uns moleques e poder ter minh rotina e meu cantinho, sempre me esperando.

Mas, se a oportunidade bater à sua porta, vá. Não exite. Cresça, conheça mundos, pessoas e culturas novas. Ao menos, da dúvida de "como seria" você nunca irá sofrer. 

Um comentário:

  1. Caro jovem, vou voltar a morar só em breve, por opção. Concordo com tudo que você escreveu. Durante uma palestra, o físico Neil deGrasse Tyson disse algo como o mundo ser um cachorro e nós sermos suas pulgas. Acho que não pode existir analogia mais perfeita sobre nossa relação com a natureza; ela quer sempre nos expulsar do game.

    Um abraço!

    ResponderExcluir